Polícia localiza arma que seria de arsenal furtado!





Central de Escoltas_Eugênio Moraes_Arquivo Hoje em Dia







Danilo Emerich - Hoje em Dia


Quase um mês após o furto de 45 armas da Central de Escoltas, atrás da Penitenciária Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a primeira pista para desvendar o crime pode ter sido encontrada. Uma pistola .40, que pertenceria ao arsenal roubado no dia 24 de março, foi apreendida com duas pessoas, na madrugada deste sábado (19).

Segundo a Polícia Militar, a arma é da marca Imbel, modelo GC MD5 LX calibre .40, com capacidade para 16 cartuchos e com um brasão da República, o mesmo tipo das pistolas levadas da Central de Escoltas. A numeração estava raspada, mas a parte à mostra confere com a identificação de um dos armamentos roubados.

Apreensão

A PM recebeu uma denúncia relatando que um homem estava armado em um bar na rua Antônio Benjamim Alves, no Florença, em Neves. O suspeito não foi encontrado no local, mas os militares localizaram a arma com uma mulher de 45 anos. Ela alegou estar com o armamento a pedido de Joanis Roberto de Jesus, de 25. Logo depois, os policiais encontraram o homem, que confirmou a posse da arma. Ele afirmou que a pistola era para defesa própria, mas não disse onde comprou.

Segundo a PM, no dia anterior, um saco com uma grande quantidade de munição foi apreendida em uma lagoa de uma fazenda, no bairro Metropolitano, na mesma cidade. Também há suspeita de que os cartuchos pertençam ao arsenal.

A investigação do roubo é conduzida pela Polícia Civil, mas a assessoria de imprensa da corporação não informou se há avanço no inquérito.

De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), nove agentes penitenciários que foram dopados, possivelmente por intoxicação alimentar, durante o roubo, continuam afastados.

Ao todo, foram roubados 39 pistolas .40, seis submetralhadoras .40 e 1.640 cartuchos de calibre .40, 12 e de fuzil 556. As armas ficavam em um cofre, dentro de uma sala restrita, protegida por porta de ferro da Central de Escoltas, que não possuía câmeras de segurança ou guaritas.