sexta-feira, 20 de julho de 2012

2 Agentes penitenciários de Bicas II são presos ao tentarem entrar em cadeia com drogas

Agente penitenciário é preso ao tentar entrar em cadeia com drogas escondidas em meia
O homem foi flagrado durante a revista na manhã deste domingo em São Joaquim de Bicas
Publicação: 17/06/2012 09:46 Atualização: 17/06/2012 11:58
Um agente penitenciário foi preso na manhã deste domingo, ao tentar entrar no presídio de São Joaquim de Bicas II, na Grande BH, com drogas escondidas na farda. À polícia, ele informou que estava sendo ameaçado por presos e por isso teria que levar o material. 

Leonardo Machado Venâncio foi detido quando chegava para trabalhar. Durante a revista, foram encontradas porções de cocaína e maconha dentro da meia do homem, que estava escondida na farda do agente. A Polícia Militar foi acionada e prendeu Venâncio. “Ele falou que estava sendo ameaçado por um preso que trabalha na faxina da unidade, mas não revelou quem seria o detento”, afirma o soldado Blener Porto.

De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), o agente já era monitorado pelo setor de inteligência da unidade, que desconfiava de um possível envolvimento do homem com o tráfico de drogas. Leonardo Venâncio trabalhava na penitenciária há seis anos, e segundo a Seds, terá o contrato rescindido.

A polícia foi até a casa do suspeito e encontrou uma arma em nome dele com 42 cartuchos intactos, oito deflagrados, uma réplica de pistola nove milímetros, além de uma porção de cocaína. O agente será encaminhado para a delegacia de Betim.

(Com informações de Flora Pinheiro)

Outro Agente penitenciário de Bicas II é preso ao tentar levar celular para detentos em presídio da Grande BH
O material estava escondido na sandália do agente. O homem afirmou que pegou o calçado emprestado


Publicação: 18/07/2012 14:45 Atualização: 18/07/2012 18:07
Um agente penitenciário foi preso na manhã desta quarta-feira ao tentar entrar com celulares e chips no presídio de São Joaquim de Bicas II, na Grande BH. O material estava escondido em uma sandália usada pelo homem. À polícia, o agente informou que pegou o calçado emprestado com um amigo e que não sabia da existência do material. 

De acordo com a Polícia Militar, Welington Ferreira Souza Miguel, 26 anos, chegou para trabalhar por volta das 10h30. Ao passar pela revista, o agente foi obrigado a voltar para a portaria do presídio para deixar o celular pessoal dele. Quando voltou, outros agentes suspeitaram da atitude do homem. “Os pessoal do presídio percebeu que ele estava como uma sandália no pé e mandaram ele tirar. Ao analisarem o material, encontraram um aparelho celular, quatro baterias e dois chips”, afirma o cabo Márcio Rigo. 

Segundo o militar, na sandália há um espaço entre a palmilha e um solado onde é possível colocar materiais. Ao ser questionado pela PM, o agente negou que iria levar o material para presos. “Ele disse que a sandália não era dele, que havia pegado com um amigo. Essa pessoa citada por ele era agente penitenciário que foi desligado por levar o materiais ilícitos para os presos. Mas achamos que essa história foi inventada para livrar a culpa dele”, explica o cabo.

De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) foi lavrado pela Polícia Militar. Wellington, que é agente há pouco mais de um ano, ficará à disposição da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) até a conclusão do Processo Administrativo podendo ter seu contrato rescindido.
 Ceresp de Ipatinga »
Mês passsado 1 Agente penitenciário foi demitido após tentar entregar celular a presosEle foi alvo de uma Ação Civil Pública do Ministério Público



Publicação: 19/06/2012 22:29 Atualização:

Um agente penitenciário do Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) de Ipatinga, no Vale do Aço, doi demitido depois de ter sido flagrado tentando entregar um aparelho celular para detentos da unidade. Ele foi alvo de uma Ação Civil Pública do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e além de perder a função pública fica proibido, pelo prazo de 3 anos, de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

De acordo com o MP, o agente já estava sendo monitorado pelo serviço de inteligência do Ceresp por suspeita de facilitar a entrada de objetos ilícitos na unidade. Porém, em dezembro do ano passado ele chegou ao estabelecimento prisional descontrolado, ameaçando e desacatando outros agentes penitenciários. Por causa da atitude suspeita, ele foi revistado e os outros agentes encontraram em um de seus coturnos um aparelho celular embrulhado em fita isolante.

Para o promotor que propôs a ação, César Augusto dos Santos, a forma clandestina como o aparelho celular ingressou no Ceresp deixa clara a destinação do telefone aos detentos e revela que descumpriu o dever de honestidade. “O comportamento do réu colocou em risco a segurança dos demais agentes penitenciários e de todas autoridades (juízes, promotores, defensores, diretores), pois quem facilita entrada de celular, pode igualmente facilitar a entrada de outros objetos ilícitos (droga, armas de fogo)".

Na ação, o promotor pedia a condenação do réu nas sanções do artigo 12, inciso III, da Lei de Improbidade Administrativa, que abrange a perda da função pública, pagamento de multa e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de três anos. A Vara da Fazenda Pública de Ipatinga acatou o pedido e o agente penitenciário foi demitido pela Secretaria de Estado de Defesa Social.




Nenhum comentário:

Postar um comentário