CONCURSO DE 2013 - AGENTE PENITENCIÁRIO - (planilha do pessoal que fez o novo concurso. Ajude-nos a alimentá-la.FASE DE REDAÇÃO -CORLEONE, DIVULGA NO SEU BLOG A PLANILHA MASCULINA DO CONCURSO 2013

https://docs.google.com/spreadsheets/d/1dOnWToWKE5alTsJPGTw-aBXr1GlxnKvxAqFrKCdIo7U/edit?usp=sharing

fala pra mandar NOME/ NOTA (OBJ + RED) E RISP

pro meu email: israel20rj@gmail.com

sexta-feira, 5 de abril de 2013

REGALIAS A PRESOS NO PIAUI


ecretaria de Justiça concede regalias a presos para evitar motins

Presos da Penitenciária Irmão Guido ligados a facção criminosa, Primeiro Comando da Capital (PCC) estariam recebendo regalias para evitar a realização de motins no presídio. A informação foi confirmada pelo Secretário Estadual de Justiça, Henrique Rebelo a reportagem do UOL. Segundo a matéria publicada nesta quarta- feira (20), a negociação previa até uma mudança no cardápio com a inclusão de carne de sol, ervilha, milho e azeitona nas refeições. Além do aumento do horário de visitas e transferência de um preso, que seria um dos líderes do PCC para São Paulo.
Ainda de acordo com a reportagem o Secretário de Justiça afirmou ter cedido durante as negociações para proteger a sociedade. “Esse pessoal [do PCC] é superperigoso. Não podíamos deixar que o problema de dentro do sistema atingisse a sociedade. Por isso, atendemos às reivindicações”, afirmou Henrique Rebelo.

Para Vilobaldo Carvalho, Presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários e Servidores Administrativos das Secretarias da Justiça e de Segurança Pública do Estado do Piauí (SINPOLJUSPI), a negociação e a concessão de regalias por parte do Estado foi totalmente equivocada. “A Secretaria devia ter usado a força para restabelecer a ordem, isso que era de direito. O Estado não pode se ajoelhar diante de fatos criminosos ele deve dar uma resposta à altura, naquele momento a resposta dada deveria ser a força não regalias”, afirma Vilobaldo.

Veja abaixo a reportagem na integra: 

Para evitar ataques, Piauí concede regalias a presos do PCC no Estado

A Sejus (Secretaria do Estado da Justiça) do Piauí concedeu regalias para presos ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital), facção que age dentro e fora dos presídios de São Paulo, que estão na Penitenciária Regional Irmão Guido, localizada na zona rural de Teresina. Durante um motim no ano passado, a facção ameaçava desencadear uma série de ataques similares aos ocorridos em São Paulo e Santa Catarina, no final de 2012, caso os pedidos de seus membros não fossem atendidos.

A negociação --que previa a inclusão de carne de sol, ervilha, milho e azeitona no cardápio das refeições, aumento do horário de visitas e transferência para São Paulo do cabeça do movimento e um dos líderes do PCC, José Ivaldo Celestino dos Santos-- ocorreu durante motim ocorrido no final do ano passado e é confirmada pelo secretário estadual de Justiça, Henrique Rebello.

Carta interceptada pelo serviço de inteligência da polícia na Casa de Custódia de Teresina. Na carta, integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), facção do crime organizado que teve origem em São Paulo, informam aos detentos de outros pavilhões como serão as ações para que o governo do Estado atenda aos pedidos deles. Em um dos trechos eles afirmam que conseguiram tirar o chefe de disciplina da unidade carcerária mostrando o poder que têm nas negociações Divulgação
Em entrevista ao UOL, ele afirma que, meia-hora após atender aos pedidos dos detentos da facção criminosa, o motim na cadeia terminou. "Esse pessoal [do PCC] é superperigoso. Não podíamos deixar que o problema de dentro do sistema atingisse a sociedade. Por isso, atendemos às reivindicações", disse Rebello, destacando que cumpriu o que diz a lei e não "fez nada de mais" em atender às reivindicações dos presos.

Carta e articulação

Durante a rebelião, presos do PCC tentaram convocar os internos de outros pavilhões por meio de uma carta. No entanto, o serviço de inteligência da polícia conseguiu interceptar a mensagem --a carta foi jogada do pavilhão C para o anexo (local onde ficam os presos provisórios).

Na carta, os integrantes do PCC tentavam informar aos demais internos como seriam as ações de articulação para que o Estado atendesse aos pedidos deles. Em um dos trechos, os presos afirmaram que conseguiram tirar o chefe de disciplina da unidade carcerária, para demonstrar o poder que tinham nas negociações com a Sejus.

"A rapaziada da Casa de Custódia entrou em contato com nós [sic] e disse que eles conseguiram tirar o 'Nissin' [Nilson Martins de Vasconcelos, ex-chefe de disciplina da Casa de Custódia], e assim só nós se unir [sic] que nós vamos conseguir nosso objetivo", descreve a carta.

Estrangeiros no PCC

Apesar de o principal líder do PCC no Nordeste, Celestino dos Santos, ter sido transferido para São Paulo, existem ainda no sistema prisional do Piauí outros cinco membros do PCC --dois italianos, dois brasileiros e um português.
Os detentos estão no pavilhão A da Irmão Guido presos na mesma cela ou em celas vizinhas. Eles foram flagrados pela PF (Polícia Federal) em um veleiro com carga de 270 quilos de cocaína pura que iria para Europa.
Sindicato critica ações

O Sinpoljuspi (Sindicato dos Agentes Penitenciários e Servidores Administrativos da Secretaria de Justiça e Segurança do Estado do Piauí) criticou a postura do Estado.

A decisão, diz o Sinpoljuspi, de atender aos pedidos dos presos do PCC com o objetivo de acabar com o motim e evitar possíveis ataques foi equivocada. De acordo com o sindicato, a iniciativa tornou os agente penintenciários mais vulneráveis.

"Eles conseguem usar telefones celulares sem que nenhum dos agentes ou policiais militares encontre o aparelho. Se estão presos juntos, facilita a atuação em conjunto, mas é por celulares que eles se articulam para praticar crimes fora da prisão", disse o presidente do Sinpoljuspi, Vilobaldo Carvalho.

Foi um dos integrantes do PCC que usou um telefone celular de dentro da Penitenciaria Irmão Guido para avisar a advogada e familiares que estava prestes a ocorrer uma rebelião na unidade prisional.

Segundo Carvalho, a Sejus atendeu aos pedidos "do jeito que o Celestino disse e esticou o horário de visitas, tirando a rotina dos presídios, além de colocar no cardápio dos presos carne de sol, ervilha, milho e azeitona".

"O medo do Estado com o PCC é tão grande, que logo atenderam às reivindicações dos líderes dos movimentos. Não tinha necessidade de ceder porque não havia refém, e a polícia estava quase dominando a situação. Os rebelados estavam trancados em uma área, que estava cercada de policiais. Não justifica a atitude da Sejus. Isso mostra a fragilidade do sistema", afirmou o sindicalista.
 
 
Veja o video



ENVIADO POR JOSÉ FABIO DIRETOR

Nenhum comentário:

Postar um comentário