terça-feira, 23 de julho de 2013

Décimo policial investigado por envolvimento com tráfico é preso em SP

http://veja.abril.com.br

O investigador Danilo da Silva Nascimento se apresentou à Corregedoria da Polícia Civil no domingo e deverá ser afastado do cargo

Viaturas da Polícia Civil
Mudanças: Denarc deve ser reformulado após prisão de policiais por ligação com o PCC (Divulgação)
A Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo prendeu o investigador Danilo da Silva Nascimento, de 43 anos, que era considerado foragido da Justiça e se entregou no domingo. Nascimento é o décimo policial civil investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) porenvolvimento com traficantes a ser detido. Ele foi levado para o Presídio da Polícia Civil, na capital paulista.
Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), Nascimento se apresentou à Corregedoria acompanhado de seu advogado. O investigador trabalhava na 1ª Delegacia da Divisão de Investigações Gerais (DIG), do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). Ele teve a prisão temporária decretada na semana passada. A identidade dele e de outros cinco policiais civis investigados foram divulgadas pela Corregedoria depois que operação deflagrada com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Narcotráfico (Gaeco) não conseguiu localizá-los.
Na última quarta-feira, os investigadores Jandre Gomes Lopes de Souza e Gilson Iwamizu dos Santos também se entregaram à Corregedoria e foram presos. O delegado-geral, Luiz Maurício Blazeck, afastou ambos do cargo na quinta-feira passada. Nascimento deverá ser afastado imediatamente e perderá a remuneração até que o caso tenha transitado em julgado na Justiça.
Dos treze policiais investigados, três continuam foragidos: Daniel Dreyer Bazzan, Leonel Rodrigues Santos e Sílvio Cesar de Carvalho Videira. O delegado Clemente Calvo Castilhone Júnior, supervisor da Unidade de Inteligência do Denarc, teve a prisão revogada com a autorização do MPE depois de prestar depoimento aos promotores.
Valores - Os investigados são suspeitos de participar de um esquema de recebimento de propina de traficantes que rendeu cerca de 2 milhões de reais. Eles recebiam até 300 000 reais por ano, de acordo com promotores. O Gaeco de Campinas descobriu a relação entre policiais e criminosos do Primeiro Comando da Capital (PCC) ao interceptar conversas telefônicas do bando de Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho. Líder do tráfico em Campinas, Andinho está preso desde 2002 em Presidente Venceslau, mas manteve contato por celular com comparsas.


Segundo os promotores, os policiais cometeram crimes como corrupção, formação de quadrilha, roubo, tortura e extorsão mediante sequestro. Eles vazavam informações para traficantes eforjavam evidências em processos criminais em troca de dinheiro. O delegado-geral promete anunciar uma reformulação no Denarc e pode acabar com a participação do departamento em investigações no interior paulista.

Preso tinha uma “mercearia” dentro de sua cela, chegando inclusive a dizer os preços dos produtos “comercializados” encontrou drogas na “mercearia”.

A policia sergipana realizou uma prisão atípica na tarde desta segunda-feira (22), dentro do presídio de Areia Branca. Um preso que cumpre pena por homicídio, disse que tem uma “mercearia” dentro de sua cela, chegando inclusive a dizer os preços dos produtos “comercializados” por ele. Só que a policia também encontrou drogas na “mercearia”.
As informações são de que Fábio Prata Amorim, já vinha sendo investigado pela policia e na tarde desta segunda, durante a revista na cela, os policiais conseguiram apreender maconha, dois aparelhos celulares, duas baterias e R$ 540,00 em dinheiro.
Fábio Prata Amorim conta que o preço praticado em sua “mercearia” era acima do que ocorre fora do presídio. Ele explica que uma carteira de cigarros era vendida a R$ 10 e o quilo de arroz a três reais, o óleo tinha um preço maior, chegava a 7 reais.
As investigações realizadas pela policia apontam Fábio Prata como tendo envolvimento na venda de drogas dentro do presídio, para um grupo que foi preso recentemente em São Cristóvão.

Mesmo com a superlotação que há no presídio de Areia Branca, Fábio Prata ocupava uma cela sozinho. À policia, Fabio Prata disse que a droga era para consumo próprio. Ele alega ser viciado e a maconha era para seu consumo.

Civil desarticula tráfico comandado de presídio

Por Tribuna
Uma ação da Delegacia Antidrogas desarticulou nesta sexta-feira (19) um esquema de tráfico de drogas comandado por um detento, 22 anos, de dentro da penitenciária Ariosvaldo Campos Pires. Um adolescente,17, foi flagrado vendendo os entorpecentes em uma residência no Bairro Santo Antônio, Zona Sudeste, e um jovem, 20, foi levado para a delegacia suspeito de ser olheiro. Esta é a terceira vez que a especializada desmantela grupos ligados ao preso. As outras manobras foram feitas em abril deste ano e em dezembro do ano passado. "Foi uma ação conjunta com o serviço de inteligência da Ariosvaldo, e demonstra que presos estão tendo acesso a celulares ou passando ordens para visitantes," afirmou o delegado Carlos Eduardo Rodrigues.
Segundo ele, o detento é da cidade mineira de Montes Claros, e as investigações apontam que é suspeito de aliciar pessoas para abastecer os presídios da cidade com drogas e para dar continuidade ao tráfico fora dos muros do cadeião. Na casa no Bairro Santo Antônio, os policiais encontraram cerca de cem buchas de maconha e uma balança de precisão. O local seria utilizado para o fracionamento e venda dos tóxicos.
Rodrigues afirmou que não há nenhum indício da participação de agentes na facilitação da entrada dos materiais. Segundo ele, a diretora da unidade prisional, Ândrea Valéria Andries Pinto, informou a ele que foi feita uma varredura na cela onde o preso estava e não foi encontrado nada. Ele foi levado para a delegacia e autuado em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção de menores. Na avaliação do delegado, as manobras e prisões são importante para mostrar aos infratores que, apesar das tentativas de burlar o sistema, eles não estão imunes. "Já pedi a transferência dele para outra cidade para cessar suas articulações aqui," finalizou.

Detento foragido há oito meses é encontrado a 500m do presídio

O detento do regime semiaberto Welton Santana de Cabral – que cumpre pena por roubo - foi preso na noite desta quinta-feira (18) após passar 8 meses foragido da Penitenciária Média Juiz Hiltler Cantalice, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa.
De acordo informações do secretário da Administração Penitenciaria da Paraíba, Walber Virgolino, o acusado estava foragido desde outubro de 2012 e morava cerca de 500m do presídio e no perímetro que compreende o 5º BPM e 9ª Delegacia Distrital. “O apenado morava pertinho das autoridades policiais”.
“Foram feitos levantamentos pela Gerência de Inteligência – GEPLASI / SEAP - e após informação de que o apenado estava nas proximidades da unidade prisional, o pessoal da Força Tática Penitenciária foi acionado e conseguiu lograr êxito”, disse Walber Virgolino.
Welton Santana foi encaminhado para a penitenciária. O detento deve voltar para o regime fechado por quebra de regime.
“É mais uma grande recaptura e que representa mais um criminoso tirado de circulação. É obrigação do Sistema Prisional também recapturar seus foragidos auxiliando a Segurança Pública e trazendo a tranquilidade necessária a sociedade”, comentou Virgolino.
Detento foi preso pela Força Tática Penitenciária
Foto: detento foi preso pela Força Tática Penitenciária
Créditos: divulgação / SEAP

Policial aposentado saca pistola e atira ao se desentender com agente penitenciário

Ilustrativa - Arma semelhante à que foi apreendida com policial aposentado 
Um policial militar aposentado, de 50 anos, recebeu voz de prisão e foi autuado em flagrante por disparo de arma de fogo (artigo 15 do Estatuto do Desarmamento, Lei nº 10.826/2003), em Assis, depois de se desentender com um agente penitenciário e disparar um tiro para o alto. Com o pagamento de fiança no valor de R$ 678,00, o militar reformado responderá ao inquérito em liberdade.

Consta no boletim de ocorrência que a confusão aconteceu em um conjunto habitacional próximo à Unip, às 21h de sábado (20), envolvendo ainda um agente penitenciário de 41 anos. Ambos teriam trocado ameaças mútuas após discussão e, em determinado momento, o militar sacou uma pistola particular, calibre 380, e disparou para o alto.

Policiais militares foram acionados e encaminharam os envolvidos ao Plantão Policial, onde foram atendidos e ouvidos pelo delegado Mário Bicalho. O policial reformado teve a arma apreendida para exame pericial e não foi preso depois de pagar fiança.

Redação Assicity.com

Inscrição para concurso de agente com salário de R$ 2,4 mil começa dia 24

Edivaldo Bitencourt
O Governo do Estado publicou, no Diário Oficial desta terça-feira, o edital com a abertura das inscrições para o concurso público para contratar 230 técnicos penitenciários em Mato Grosso do Sul. As inscrições serão feitas de 24 de julho a 7 de agosto deste ano e o salário inicial é de R$ 2,4 mil, incluindo-se o adicional de função e de risco de vida.
Serão 230 vagas distribuídas em 16 municípios, sendo que o maior número de vagas é para Campo Grande (51 vagas, sendo 41 para homens e 10 para mulheres), seguida por Dourados (30 vagas, 22 para homens e 8 para mulheres), Corumbá (24, sendo 16 para o sexo masculino e 8 para o feminino), Amambai (8 para homens), Bataguassu (7, sendo seis homens e uma mulher), Coxim (6 homens), Dois Irmãos do Buriti (6 para homens), Jardim (6 para homens), Jateí (3 mulheres), Naviraí (8 homens), Ponta Porã (10 homens), São Gabriel do Oeste (1 mulher), Rio Brilhante (8, sendo 4 para homens e 4 para mulheres) e Três Lagoas (16 vagas, 10 para homens e 6 para mulheres).
A inscrição vai custar R$ 142,16 e poderá ser paga nas agências lotéricas e dos bancos Itaú, Brasil, Bradesco, Sicredi e Caixa Econômica Federal. O edital e as inscrições podem ser feitas no site www.concurso.ms.gov.br.
Os candidatos podem solicitar a isenção da taxa de inscrição nos dias 24 e 25 de julho deste ano.
Os candidatos devem ter, no mínimo, 1,6 metro de altura, ser brasileiro, possuir ensino superior e ter carteira de motorista. Negros podem se candidatar a 10% das vagas, conforme a cota criada pela Lei Estadual 3.594/2010. Índios têm direito a 3% das vagas.
As provas serão aplicadas no dia 1º de setembro deste ano. Os técnicos penitenciários na área de finanças e administração farão as provas de Língua Portuguesa (20 questões), Conhecimentos da Legislação (20) e de Conhecimentos Específicos (30). Já para a área de custódia e segurança será exigido Atualidade Brasileira (20 pontos), Conhecimentos da Legislação (30) e Língua Portuguesa (20).
O edital prevê salário inicial de R$ 1.771,25. NO entanto, segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários de Mato Grosso do Sul, o valor tem acréscimos de adicional de função e de risco de vida, que pode elevar o valor final para R$ 2.479,75 no início da carreira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário