segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Agentes Prisionais abandonam cargos após receberem ameaças na Paraíba.


Além dos riscos inerentes à profissão, devido aos diversos problemas existentes nas unidades prisionais da Paraíba, os agentes penitenciários ainda são vítimas de ameaças e trabalham sem condições de segurança.
As denúncias partem do Sindicato dos Servidores da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado (SindSeap), e revelam ainda que esses casos são mais recorrentes nas unidades onde os presos cumprem pena em regime semiaberto.
A falta de material de segurança, espaço físico, efetivo, equipamentos de comunicação, além da ausência de detectores de metais e de veículos para transporte dos detentos, sobretudo no interior, são as reclamações mais frequentes que chegam ao sindicato. Com 36 anos de trabalho, o agente João Silveira (nome fictício) foi ameaçado de morte, há 10 meses, por detentos do Monte Santo, no município de Campina Grande, que recebe presos albergados.
“Já fui ameaçado por apenado e jurado de morte. Antes disso, quando trabalhei na Máxima Padrão (Complexo do Serrotão), pedi para sair de lá porque estava sendo ameaçado. Escapei de morrer duas vezes”, contou o agente. Ele acrescentou ainda que as ameaças aconteceram porque ele não quis o suborno dos detentos. “Ele tentou me subornar, mas não aceitei e contei ao diretor do presídio. Aí as ameaças começaram”, disse.
As ameaças são tão frequentes que cerca de 300 agentes penitenciários, dos 2.000 convocados no concurso realizado em 2008 para o cargo público, não quiseram continuar na função, segundo informou o presidente do SindSeap, Manoel Leite. “Ao chegar nas unidades e ver as condições de trabalho, os agentes desistiram e o número que ficou é insuficiente para suprir a demanda, porque parte desse efetivo também é designado para fazer a escolta de detentos”, acrescentou o sindicalista.
Um dos convocados que permanece na função, mesmo enfrentando problemas, é Severino Costa (nome fictício). Há cinco anos ele trabalha na Penitenciária de Segurança Máxima Criminalista Geraldo Beltrão, localizada no bairro de Mangabeira, em João Pessoa. Segundo o agente, o problema que representa risco para quem trabalha no local é a superlotação da unidade.
“Nós temos quase 250 presos e a capacidade do presídio é para 80. As ameaças ocorrem mais quando a gente contraria o interesse dos apenados ou quando encontra algum material ilícito nas celas ou com as esposas. Eles (os detentos) sempre dizem que estão presos, mas não estão sozinhos, e que depois a gente pode se arrepender por tê-los contrariado”, disse Severino.
Ainda na capital, as reclamações mais frequentes dos agentes vem do Complexo Penitenciário PB-1 e da Penitenciária Desembargador Flósculo da Nóbrega, o Róger.
@folhadosertao
com Katiana Ramos

Nenhum comentário:

Postar um comentário