quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Pastoral contra os agentes

Boa tarde,

Com um Papa que prega a humildade, o dialogo, os princípios de São Francisco, me estranha o ataque nacional, que os agentes prisionais, vem sofrendo da Pastoral Carcerarária.
Em um país democratico e em uma doutrina papal nova, de humildade, o certo seria a pastoral parar de dizer não, e com a politica do contra e passa a buscar uma solução democratica e humana para a PEC 308, que cria a Policia Penal e para o porte de arma, junto dos sindicatos dos servidores prisionais.
Vejo que Minas Gerais é sempre uma referência positiva, que difere do Brasil desde a Inconfidência. Aqui os Servidores Prisionais e a Pastoral Carcerária (representada brilhantemente pela Maria de Lourdes), são parceiros. Quando há alguma divergência, ela é eliminada facilmente em uma mesa de reunião com cafezinho e pão de queijo. Não há obstáculos, há sintonia, apoio e comprometimento.
Aqui em Minas as armas não é usada para defender somente o agente e sua familia, ela é necessária para defender os presos jurados de morte ou que venham sofrer um atentado.
As escoltas de presos são realizadas pelos agentes, assim liberando a Policia Militar para fazer seu trabalho preventivo. Antes da PM, quem tenta acabar com um motim ou rebelião são os agentes negociando, evitando assim uma solução violenta.
Os serviços de invetigação da entrada de material ilicito nas unidades prisionais é feito primeiramente por agentes de inteligência do sistema prisional.
Então sugiro, que a exemplo de Minas, a Pastoral passe a ser uma parceira dos servidores prisionais e não uma inimiga. Sentem em uma mesa e achem uma solução.

Atenciosamente,


José Fábio Santos Gonçalves
Diretor Prisional
Ex-Conselheiro Municipal da Juventude de Belo Horizonte
Ex-Diretor do Sindicato do Agentes Prisionais de Minas Gerais
Ex-Diretor do Sindicato dos Servidores Públicos de Minas Gerais

2 comentários:

  1. Os agentes de segurança penitenciários de todo o país são vítimas de atentados por todo o país e vocês da pastoral se preocupam demasiadamente com a nossa categoria. Vocês deviam se preocupar com o propósito que os move, que é levar a palavra de deus aos presos. Se preocupar com a vida alheia é de uma demagogia ímpar para quem prega o evangelho! Portanto, caros asseclas do falso moralismo recolham à suas insignificâncias!
    P.s. A instituição IGREJA CATÓLICA NÃO TEM MORAL PARA JULGAR NINGUÉM! INQUISIÇÃO, VENDA DE INDULGÊNCIAS , PEDOFILIA... ENFIM, TODA UMA SORTE DE DESSERVIÇOS À HUMANIDADE!

    Nota: Enviei este desabafo por email à Pastoral!

    ResponderExcluir
  2. GOSTARÍAMOS QUE ALGUNS REPRESENTANTES DA PASTORAL CARCERÁRIA RESPEITASSE A CLASSE DE PROFISSIONAIS DE AGENTE DE SEGURANÇA PRISIONAL COMO RESPEITAMOS AS ATRIBUIÇÕES EXERCIDAS POR ELES.
    Direitos reservados. É permitida a reprodução da reportagem em meios impressos e eletrônicos, somente com a citação do crédito www.brunotomg.blogspot.com (sob pena da Lei 9.610/1998, direitos autorais).

    ResponderExcluir