terça-feira, 15 de outubro de 2013

14 de Outubro de 2013•10h21 • atualizado às 10h27 Após denúncia de apoio policial ao PCC, Alckmin reúne cúpula da Segurança

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se reúne, na manhã desta segunda-feira, com o secretário de Segurança Pública do Estado, Fernando Grella Vieira, e a cúpula da segurança paulista para estabelecer ações com relação à denúncia feita pelo Ministério Público paulista (MP-SP) a 175 membros do Primeiro Comando da Capital (PCC) e as descobertas feitas pelo Grupo Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). A reunião foi agendada para as 10h de hoje. A investigação do MP revelou que, pelo menos desde 2011, o PCC planeja matar o governador. Em uma interceptação telefônica feita pelo MP, um dos líderes da facção, o preso Luis Henrique Fernandes, o LH, conversa com dois outros integrantes do grupo: Rodrigo Felício, o Tiquinho, e Fabiano Alves de Sousa, conhecido como Paca. No diálogo ocorrido na noite de 11 de agosto de 2011, Paca manda os comparsas arrumarem "uns irmãos que não são pedidos (que não são procurados pela polícia) e treinar". O treinamento para a ação seria para fazer um resgate de presos ou para atacar autoridades. No meio da conversa, LH diz que o tráfico de drogas mantido pelo PCC passa por dificuldades. "Depois que esse governador (Alckmin) entrou aí o bagulho ficou doido mesmo. Você sabe de tudo o que aconteceu, cara, na época que 'nois' decretou ele (governador), então, hoje em dia, secretário de Segurança Pública, secretário de Administração, comandante dos vermes (Polícia Militar), estão todos contra 'nois'." A ordem de matar o governador foi novamente mencionada por membros da facção em escutas recentes. MP-SP fez maior mapeamento da história do crime organizado do País O MP paulista denunciou 175 acusados de participar do PCC após concluir o maior mapeamento da história do crime organizado no País. Além disso, a promotoria pediu à Justiça a internação de 32 presos no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) - entre eles, toda a cúpula, hoje detida em Presidente Venceslau - e a prisão preventiva de 112 dos acusados. As provas reunidas pelos promotores do Gaeco abrangem escutas, documentos, depoimentos de testemunhas e informações sobre apreensões de centenas de quilos de drogas e de armas. O grupo foi flagrado ordenando assassinatos, encomendando armas e toneladas de cocaína e maconha. Há planos de resgate de presos e de atentados contra policiais militares e autoridades. O bando faz lobby e planeja desembarcar na política. O mapeamento mostra que o PCC está presente em 22 Estados do Brasil e em três países (Brasil, Bolívia e Paraguai), e domina 90% dos presídios de São Paulo. O faturamento é de R$ 8 milhões por mês com o tráfico de drogas e outros R$ 2 milhões com sua loteria e com as contribuições feitas por integrantes - o faturamento anual de R$ 120 milhões a colocaria entre as 1.150 maiores empresas do País, segundo o volume de vendas. A droga do PCC vem do Paraguai e da Bolívia. Os três principais fornecedores de drogas seriam o traficante paraguaio Carlos Antonio Caballero, o Capilo, e os brasileiros Claudio Marcos Almeida, o Django, Rodrigo Felício, o Tiquinho, e Wilson Roberto Cuba, o Rabugento. O bando tem um arsenal de uma centena de fuzis em uma reserva de armas e R$ 7 milhões enterrados em partes iguais em sete imóveis comprados pela facção. Ao todo, o grupo tem 6 mil integrantes atrás das grades e 1,6 mil em liberdade em São Paulo. Esse número sobe para 3.582 em outros Estados. Em uma das interceptações telefônicas em que o chefão do PCC Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, foi flagrado, ele orgulha-se de ter abolido o crack das cadeias de São Paulo. "Nós paramos, na prisão ninguém usa", disse para um dos subordinados, identificado pelo apelido de Magrelo. O homem condenado pelos ataques à polícia em 2006 e pelo assassinato em março de 2003 do juiz Antonio José Machado Dias, da Vara de Execuções Penais de Presidente Prudente, afirmou ainda que "hoje pra matar alguém é a maior burocracia", referindo-se às normas impostas pela facção. Por elas, quando um bandido tem alguma queixa contra outro deve se dirigir a um tribunal do PCC. Neles, o faltoso pode ser desde repreendido até morto. Mas a sentença de morte tem de ser referendada pelo "comando". "Então quer dizer, os homicídios caíram não sei quantos por cento e aí eu vejo o governador chegar lá e falar que foi ele." Em outra conversa no mesmo dia, Marcola diz para Marcio Alarido Esteves, o Turim, que é necessário contratar um advogado por R$ 100 mil para defender a facção. Durante os três anos e meio de investigação, o MPE montou o organograma da facção e obteve o "censo" do PCC, feito pelo setor da organização denominado Sintonia Geral dos Outros Estados, considerado a cúpula do grupo e que toma todas as decisões estratégicas. Por meio do censo foi possível verificar que, além de São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul são os dois Estados onde a facção tem o maior número de adeptos. Segundo as apurações do MPE, o grupo paulista negociou a paz entre as três principais facções do Rio: Amigos Dos Amigos (ADA), o Comando Vermelho (CV) e o Terceiro Comando (TC). fonte portal Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário