quinta-feira, 28 de novembro de 2013

LANÇAMENTO DO LIVRO POETAS DA LIBERDADE


Presídio de Cataguases lança livro de poesias escritas pelos detentos

Textos foram produzidos durante as aulas na Escola Estadual Marieta Soares Teixeira, instalada dentro da unidade prisional
A direção do Presídio de Cataguases, na Zona da Mata, lançou nesta quinta-feira (28), o livro “Poetas da Liberdade”. A publicação reúne 57 poesias escritas por 47 detentos alunos da Escola Estadual Marieta Soares Teixeira, instalada dentro da unidade prisional. O evento de lançamento ocorreu no auditório da Escola Estadual Manuel Inácio Peixoto, no bairro Granjaria, em Cataguases.
A professora e organizadora da antologia poética, Idalina de Carvalho, explica que os poemas foram escritos em sala de aula, com tema livre ou a partir de uma técnica em que os alunos deveriam imaginar-se sendo algum animal, misturando a própria vida com a vida deste animal. “A arte liberta, não o corpo, mas a alma contida, os anseios, as angústias, a saudade, a voz” destaca a professora, que ainda chama atenção para o fato de os autores viverem em um ambiente nem sempre propício para manifestações artísticas.
Inspiração
A ideia de publicar o livro foi do diretor geral do Presídio de Cataguases, Alan Rezende, após uma conversa com a professora Idalina sobre a produção poética dos alunos da escola que funciona dentro da unidade. “Tive vontade de mostrar para as pessoas que desconhecem o universo prisional, especialmente os jovens, a situação de alguém privado de liberdade e os trabalhos desenvolvidos pela ressocialização”, explica o diretor.
A temática das poesias gira em torno do sofrimento por estar preso, do arrependimento pelos atos que os levaram à prisão, da saudade da família, dos amores perdidos. Mas ao mesmo tempo, em seus textos, os detentos falam de esperança, fé e vontade de trilhar novos rumos. Para o diretor Alan Rezende é difícil escolher a melhor poesia do livro, mas depois de um pedido sobre a que mais o sensibilizou ele indicou “Tenho Saudade”, de Edneia Matos e “É preciso ter fé”, de Wanderlei Rosa Benfica
O detento Airton Willian de Menezes, de 18 anos, abre a antologia com o poema “As Grades”, que em suas palavras é um “desabafo do dia a dia, uma explosão da angústia interna e um grande alívio”. Airton nunca havia escrito poesias anteriormente e diz ter sido incentivado na escola por sua professora. Sua dica para produzir um bom texto poético é “escrever sempre com o coração e sem medo”.
Compromisso com a Educação
O lançamento do livro de poesias no Presídio de Cataguases reafirma o compromisso do Governo de Minas de ressocialização dos detentos durante o cumprimento da pena. No Estado, todas as unidades prisionais oferecem assistência jurídica, atenção à saúde, ensino, trabalho e atendimento religioso. Neste ano, o Estado alcançou a marca de 6.697 detentos estudando em todo o Estado. O número cresceu 11,3% em relação ao ano passado, quando eram 6.017 presos matriculados em escolas formais dentro de unidades prisionais.
Vale ressaltar ainda que foram inauguradas 11 novas escolas dentro de unidades prisionais de Minas Gerais em 2013. Quatorze bibliotecas também foram inauguradas -  ao todo 79 unidades possuem este espaço.
Para o superintendente de Atendimento ao Preso, Helil Bruzadelli, a leitura amplia horizontes e permite uma interação do indivíduo com o mundo. “A criação do livro Poetas da Liberdade é o resultado de um trabalho muito bem feito de construção do autoconhecimento através da leitura e da poesia” avalia o superintendente.








Att,



Alan Neves Ladeira Rezende
Diretor Geral Presídio Cataguases
MASP 1101274-7 
alan.rezende@defesasocial.mg.gov.br

Um comentário:

  1. Parabéns ao Diretor Alan pela iniciativa, certamente o livro o livro “Poetas da Liberdade” alcançará o seu objetivo, mostrando de fato e de direito o objetivo da Subsecretaria de Administração Prisional, a " RESSOCIALIZAÇÃO".

    ResponderExcluir