sábado, 16 de novembro de 2013

MENSALEIROS VÃO TOMAR BANHO FRIO, DEIXA A DEFENSORIA SABER DISSO!

Pouco acredito na permanência destes presos no Regime Semi Aberto, logo progredirão para o R.A. isso se não acharem mais uma brecha da lei para serem soltos.
  
   Mas a questão do banho frio é mais difícil de acreditar, com a cúpula do PT atras das grades tende só aumentar o benefícios dos presos brasileiros. Em São Paulo a Defensoria Publica ganhou uma ação para que todos os presos tenham direito a banho quente, liminar proferida pelo Juiz Adriano Marcos Laroca, da 12ª Vara da Fazenda Pública da Capital, talvez na intenção de abriga-los em SP. 

   Com tantas famílias que vivem sem saneamento básico, , banho quente, em condições desumanas a Defensoria ganha uma ação beneficiando os presos. Deviam buscar pedir indenização ao Estado para as famílias que tiveram seus entes queridos mortos por "vagabundos"  diante da insegurança publica.

 Mas um País em que o Presidente do Senado é Renan Calheiros após dezenas de denuncias,  não precisa falar mais nada e faço entender quem estar no poder.  Em país de primeiro mundo o fato de um politico trair sua mulher já não é mais eleito e tem que renunciar, por que se não pode ser respeitar sua família imagina com o povo.
                           AGENTE PENITENCIARIO https://www.facebook.com/guardasp

REPORTAGEM:

Mensaleiros terão banho frio durante o tempo que ficarem presos

Os condenados ao regime fechado cumprirão inicialmente a pena no Complexo Penitenciário da Papuda, nas penitenciárias DF-1 e DF-2.



Os presos do mensalão que chegarão a Brasília neste sábado (16) vão dormir em celas individuais que abrigarão, sem mobília e com espaço para apenas uma cama, um lavatório e um vaso sanitário. O banho é frio e a comida é servida três vezes ao dia.

Os condenados ao regime fechado cumprirão inicialmente a pena no Complexo Penitenciário da Papuda, nas penitenciárias DF-1 e DF-2.

Segundo o juiz da Vara de Execuções Penais, Ademar Silva Vasconcelos, eles deverão ficar em celas individuais por questões de segurança. Os atuais presos serão remanejados para abrir espaço para os mensaleiros.

De acordo com o subsecretário do Sistema Penitenciário (Sesipe), Cláudio Magalhães, as celas têm, em média, seis metros quadrados. Cabe aos presidiários levar a sua própria roupa de cama e de banho, além das vestimentas. Pelas regras do sistema, todas as roupas têm de ser brancas ou em tons pastéis.

Como todos os detidos são de fora de Brasília, é provável que seus advogados façam petições para que eles sejam transferidos para prisões próximas a seu domicílio, como é praxe. Para aqueles com direito a regime semiaberto, só depois a Justiça deve receber o pedido para autorizá-los a trabalhar fora durante o dia.

Três réus começarão a cumprir a pena no regime fechado: Marcos Valério, seu ex-sócio Cristiano Paz e a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello. O ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato também deveria cumprir a pena neste regime, mas ele fugiu para a Itália e é considerado foragido.

Visitas

Os detentos podem receber visitas de familiares a cada 15 dias. Nessas ocasiões, segundo Magalhães, as famílias podem levar comida para os detentos. Todos os alimentos são inspecionados pelos agentes penitenciários antes de serem entregues.

Já os réus do regime semiaberto, como o ex-ministro José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e outras quatro pessoas, deverão ser encaminhados para o CIR (Centro de Internamento e Reeducação), que fica na Papuda, ou para o CPP (Centro de Progressão Penitenciária), que fica no Setor de Indústria e Abastecimento de Brasília.

No CIR, as celas variam de tamanho, dependendo da quantidade de presos por cela.

Como o CIR se destina a presos que possuem o benefício do regime semiaberto, mas ainda não receberam autorização judicial para trabalhar fora da cadeia durante o dia, Magalhães acredita que os mensaleiros serão enviados para lá --devendo ficar na mesma cela.

"Eles são presos comuns e só serão separados dos outros detentos por questões de segurança deles e dos servidores", disse Magalhães.

Já o CPP é reservado para os presos autorizados pela Justiça a trabalhar. O local não tem celas e os detentos ficam em um mesmo galpão. Eles dormem em beliches e usam um banheiro coletivo.

Neste caso, as empresas contratantes dos presidiários terão que assinar um termo de compromisso com a Justiça. Os condenados só podem transitar por um espaço de 100 metros ao redor do local de trabalho. Por isso, não podem, por exemplo, ir almoçar em casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário