quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

MILITARISMO

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "REFLEXÕES NO FACEBOOK":
Olha, infelizmente nossa classe vive numa crise de identidade que não tem fim! Quando não existia uniforme, clamavam aos quatro cantos que era necessário a criação de um. Pra azar de muitos, uma douta senhora, metida a entender do assunto, criou este uniforme ridículo que é usado hoje. A despeito disso, uma Instituição que quer usar farda( não me venham com discussão aqui sobre farda x uniforme), deve se pautar por uma postura condizente com este traje, qual seja, a militar. Obviamente, é indiscutível que somos funcionários civis, porém, nosso trabalho, principalmente àqueles que integram os GETAP's, GIR's e OpEsp, devem sim, seguir muito mais os ritos militares do que o civil. Defendo isso por uma simples razão; imaginem um grupamento de Agentes, fardados, equipados, portando-se como um BANDO em locais públicos!!!
Entendo que, por falta de um preparo mais adequado, alguns colegas exageram, tornando-se mais militares do que os próprios mas, daí a defender uma conduta diferenciada, em detrimento de alguns fanáticos é descabido, dada a importante função que é desempenhada por nossos grupamentos Estado a fora. 
Particularmente, sou contra este monte de fardamento para o Sistema. De certa forma, acredito que poderíamos ter apenas um uniforme com um segundo apenas para os grupos de intervenção. Acho também, que a boina forçou muito a barra. Há estudos de pessoas que realmente entendem, que apontam a boina como um acessório que atrapalha, ao invés de ajudar (aperta, cai, etc).
Concluindo, vejo que é necessário uma reflexão profunda a respeito do que queremos para toda a classe e não somente para 'nós'. Nossa Instituição carece de melhorias, sobretudo em sua estruturação. É necessário um estudo profundo sobre nossas reais necessidades, desde um acompanhamento psicológico de todo o quadro, até o reconhecimento na CF de nossa identidade como Segurança Pública. Apesar de não sermos legalmente militares, trabalhamos com algumas premissas dos mesmos e, qualquer conduta diferenciada nos procedimentos que ocorrem hoje, certamente complicará muito, a ação e, principalmente, a reação de nossos grupamentos em trabalho. Frise-se aqui, que muito embora nunca tenha prestado continência no Sistema, quem, como eu, já foi um dia da caserna sabe, que trata-se apenas de um mero ato de cumprimento, nada mais...
Bora lutar por aposentadoria especial aos 25 anos de trabalho gente....
Abraços fraternos. 

11 comentários:

  1. Boa noite amigo! Sobre sua opinião acho sensata, só acrescentaria que não basta somente uniforme para compor uma equipe de GETAP ou GIR ou COPE, tem que ter atitude tem que gostar do que faz porque verdadeiramente é diferenciado. Mas infelizmente vejo pessoas despreparadas e sem compromisso para tal missão junto a nossa categoria e principalmente a sociedade, vejo também omissão de nossos superiores para tal fato. Mas somos novos temos muinto a aprender. Abraços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com ti. É onde cito o "despreparo" de alguns pares para tal mister e a falta de competência de alguns gestores em fazer a coisa funcionar.
      Abraço fraterno.

      Excluir
  2. E engraçado!! todos os diretores que já vi nunca usam o uniforme ou farda da instituição,mas pegam no pé de seus agentes para terem postura com relação ao fardamento e seu uso estranho né!! A verdade é que falta identidade e amor pela carrera,não valorizamos o que fazemos,so achamos defeitos e nunca reconhecemos os acertos...espero que isso um dia ACABE e DEIXEMOS DE SER OS FILHOS BASTARDOS DA CIVIL ADOTADOS POR MILITARES!! NÉ GUARDA !! Não esquecendo muito bom companheiro sua postagem sobre o assunto!!

    ResponderExcluir
  3. Realmente amigo, vc citou um ponto crucial; AMOR pela profissão. Bem lembrado.
    Abraço parceiro.

    ResponderExcluir
  4. 99,9+00,1% Ama é o $$$$.. Quero ver esses que dizem que tem amor fazendo caridade e trabalhando de graça.. Pois quem ama não pede nada em troca.. Só lero lero.. Me poupe.. Seus amantes.. kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo, há um equívoco em sua afirmação. Quando dizemos que se tem que ter amor pela profissão, não significa que temos que trabalhar de graça. A remuneração é apenas a justa compensação de seu trabalho. Vejo com muita reserva comentários como o seu. Não estamos aqui para brigar mas sim, para tentar encontrar um norte. De preferência um que satisfaça a coletividade e não apenas à alguns. Respeito sua opinião mas ainda assim, acredito verdadeiramente que a grande maioria do Sistema não está apenas por dinheiro. Eu amo o que faço e conheço muitos que são tão comprometidos como eu por bons resultados. Há muito o que fazer pelo Sistema. Muitos cobram mudanças aqui e acolá, mas é notório como existem aqueles que fomentam apenas críticas destrutivas. Vamos gastar energia com soluções. Se queremos mudanças significativas para a classe, acho que um bom começo é começar por nós mesmos.
      Abraço fraterno.

      Excluir
    2. Entendo você.. Mas amar ser baba de preso?? Suas estatísticas estão erradas, a grande maioria tá é pelo salário isso nem é preciso ser um gênio pra saber.. E com esses aumentos muitos vão "amar" essa profissão.. Concurso vai tá concorrido..

      Excluir
    3. Quanto a "ser babá de preso", esta afirmação é exclusivamente sua. A postura de Agente quanto a preso deve se pautar pela justiça, pura e simplesmente. Preso que segue as normas da casa, não deve ser incomodado, doutra feita, àqueles que insistem em burlar as diretrizes, contribuindo para a desordem, devem ter tratamento condizente com sua conduta.
      As pessoas, principalmente os próprios Agentes, estão estigmatizando nossa classe. O uso indiscriminado da força, em situações onde se poderia resolver com verbalização, constitui crime. Agente Penitenciário deve trabalhar com inteligência e paciência. Não sou e nunca fui babá de bandido, muito pelo contrário, sou considerado até rígido, mas uso a cabeça. Direciono minhas ações para não fazer besteira. Se for necessário orar para acalmar uma situação, eu oro, mas se o momento requerer uma bazuca, pode estar certo que não hesitarei nem um segundo em usar.
      Abraço fraterno!

      Excluir
    4. boaaa!! babá de preso e quem é corrupto tem medo de preso,fraco de espírito muchibão,que não sabe nem porque esta nessa carreira se não gosta ou não acredita no que faz pede pra sair ninguém te chamou ou te impôs esta condição!! A CORAGEM E O SENSO DE JUSTIÇA E O QUE REGE QUEM ACREDITA NO SISTEMA E QUER VÊ LO CRESCER!! SAI FORA LIXÃO!!

      Excluir
  5. Boa noite. Acho que fardamento ( gandola e boina) são apenas para levantar o ego de alguns poucos. Uniforme seria mais apropriado. Grupos táticos tem de ter um uniforme específico, visando acima de tudo a proteção. Poderia ser um coturno, uma calça ( pode até ser desse mesmo modelo) e uma camisa, pois essa gandola esquenta demais, e o servidor pode ter problemas dermatológicos e de desidratação. COLETE BALÍSTICO DEVE SER INDIVIDUAL.Mas o mais importante, não é militarizar, mas independente da indumentária, TODO SERVIDOR DEVE TER POSTURA.

    ResponderExcluir
  6. O uso do Uniforme é importante sim.....O vagabundo vai estar acostumado a nos ver sempre com uniforme ,na rua sem "ele" fica mais dificil o ladrão nos identificar,o individuo desuniformizado fica totalmente diferente, acho importante realmente o uso do mesmo,manter uma boa postura ,porém nos militarizar aí é palhaçada, nem os próprios "militares " estão satisfeitos com a atual condição...então pra que insistirmos nisso.

    ResponderExcluir