quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

REFLEXÕES NO FACEBOOK

kkkk, vi, gostei e fiz uma modificação nos dizeres
Gleysse Nogueira
Foto: kkkk, vi, gostei e fiz uma modificação nos dizeres
Gleysse Nogueira

4 comentários:

  1. Turma do GIR É UNIFORME! ENTENDERAM?

    ResponderExcluir
  2. Olha, infelizmente nossa classe vive numa crise de identidade que não tem fim! Quando não existia uniforme, clamavam aos quatro cantos que era necessário a criação de um. Pra azar de muitos, uma douta senhora, metida a entender do assunto, criou este uniforme ridículo que é usado hoje. A despeito disso, uma Instituição que quer usar farda( não me venham com discussão aqui sobre farda x uniforme), deve se pautar por uma postura condizente com este traje, qual seja, a militar. Obviamente, é indiscutível que somos funcionários civis, porém, nosso trabalho, principalmente àqueles que integram os GETAP's, GIR's e OpEsp, devem sim, seguir muito mais os ritos militares do que o civil. Defendo isso por uma simples razão; imaginem um grupamento de Agentes, fardados, equipados, portando-se como um BANDO em locais públicos!!!
    Entendo que, por falta de um preparo mais adequado, alguns colegas exageram, tornando-se mais militares do que os próprios mas, daí a defender uma conduta diferenciada, em detrimento de alguns fanáticos é descabido, dada a importante função que é desempenhada por nossos grupamentos Estado a fora.
    Particularmente, sou contra este monte de fardamento para o Sistema. De certa forma, acredito que poderíamos ter apenas um uniforme com um segundo apenas para os grupos de intervenção. Acho também, que a boina forçou muito a barra. Há estudos de pessoas que realmente entendem, que apontam a boina como um acessório que atrapalha, ao invés de ajudar (aperta, cai, etc).
    Concluindo, vejo que é necessário uma reflexão profunda a respeito do que queremos para toda a classe e não somente para 'nós'. Nossa Instituição carece de melhorias, sobretudo em sua estruturação. É necessário um estudo profundo sobre nossas reais necessidades, desde um acompanhamento psicológico de todo o quadro, até o reconhecimento na CF de nossa identidade como Segurança Pública. Apesar de não sermos legalmente militares, trabalhamos com algumas premissas dos mesmos e, qualquer conduta diferenciada nos procedimentos que ocorrem hoje, certamente complicará muito, a ação e, principalmente, a reação de nossos grupamentos em trabalho. Frise-se aqui, que muito embora nunca tenha prestado continência no Sistema, quem, como eu, já foi um dia da caserna sabe, que trata-se apenas de um mero ato de cumprimento, nada mais...
    Bora lutar por aposentadoria especial aos 25 anos de trabalho gente....
    Abraços fraternos.

    ResponderExcluir
  3. Agora
    A versão do guarda

    "Plaft",Charlisnada você não é militar idiota,pare de ferrar com os ASPs da PPP,como fazem os superiores do escalão da PM!!!

    ResponderExcluir
  4. Amigo das 19:50 se vc acha que a postagem foi do tal, Charlesnaldo, se engana! Estou acompanhando algumas postagens sobre este indivíduo e, pelo que parece, só não é mais malquisto por falta de espaço. Posso de garantir que sou um profissional com P maiúsculo.
    Independente disso, mantenha minha postura e opinião a respeito do assunto.
    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir