terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Sindicato realiza primeira das treze assembleias que poderão decretar greve geral no Sistema Prisional.




Cerca de 70 agentes de segurança penitenciária (ASP) participaram na noite de ontem (segunda-feira, 3), da assembleia geral realizada pelo Sindasp-SP em frente à Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. Estiveram presentes servidores das unidades de Presidente Venceslau, Marabá Paulista, Caiuá, Dracena, Presidente Prudente e Presidente Bernardes.

No total serão realizadas treze assembleias, em diversas regiões do Estado, de 3 a 25 de fevereiro, para ouvir os servidores penitenciários sobre uma possível greve geral que será decretada a partir de 10 de março, caso o governo não atenda a pauta de reivindicação 2013 da categoria.

“O objetivo das assembleias é consultar a categoria para que todos opinem sobre a proposta de greve geral no sistema penitenciário a partir de 10 de março. Quem decide e vota pela greve é a categoria e não o sindicato. Caso o governo não atenda nossa pauta e a categoria decida pela greve, em 10 de março o sistema penitenciário vai parar”, disse o presidente do Sindasp-SP, Daniel Grandolfo.

De acordo com Grandolfo, “a parte do sindicato nós estamos fazendo, que é convocar a categoria para ouvir o que ela pensa”, disse. O presidente lembrou ainda que é a categoria quem adere ou não à greve.

O presidente do Sindasp-SP explicou detalhadamente o andamento e a real situação de negociação com o governo. Por fim, Grandolfo lembrou que, na última sexta-feira (31), encontrou com o governador Geraldo Alckmin durante a inauguração do sistema de bloqueadores de telefonia celular na P2 de Venceslau e cobrou uma posição em relação à categoria. Alckmin disse ao presidente do Sindasp-SP que, entre essa semana (3/2) e a próxima (10/2), entrará em com contato com Grandolfo para convidá-lo para uma audiência no Palácio dos Bandeirantes.


No entanto, o Sindasp-SP permanecerá realizando as assembleias gerais normalmente para ouvir a categoria e, caso realmente o governo chame para uma negociação, a proposta será apresentada em assembleia geral.

Ao final da assembleia, o presidente colocou em votação a proposta do sindicato e por unanimidade os presentes aprovaram a greve geral, a partir de 10 de março, caso o governo não atenda a categoria.

  

Fato lamentável para refletir: enquanto o grupo de cerca de 70 agentes penitenciários discutia os problemas e pensava no futuro da categoria durante a assembleia de greve em Presidente Venceslau, um outro grupo de agentes penitenciários, bem ao lado, há cerca de 10 metros, jogava futebol e não dava a mínima para os companheiros que lutavam pelo bem comum. Será que a categoria poderá contar com esses em caso de greve? A resposta está na atitude!

2 comentários:

  1. O cindicato tem q vim para o norte tratam preso com pao de lo e guardas efetivos perseguem.

    ResponderExcluir
  2. O cindicato tem q vim para o norte tratam preso com pao de lo e guardas efetivos perseguem.

    ResponderExcluir