terça-feira, 20 de maio de 2014

GIR é acionado para conter motim no Presídio Sebastião Satiro

Patos HojeO Presídio Sebastião Satiro viveu momentos de tensão na noite deste sábado (17). Os detentos de um dos blocos da unidade prisional rebeleram-se, ateando fogo em colchões, uniformes e roupas de cama. Os próprios agentes penitenciários conseguiram controlar os ânimos e evitaram o surgimento de uma rebelião.
A revolta dos detentos foi provocada pela ação de agentes penitenciários para barrar a entrada de armas e celulares no Presídio Sebastião Satiro. Só neste sábado, durante as visitas, três mulheres foram presas, duas tentando levar droga na vagina para seus companheiros e uma com um aparelho de telefone celular.
Sem droga e sem telefone celular, os detentos ficaram revoltados. Pouco depois do anoitecer, por volta das 20h, eles começaram a atear fogo nos colchões. Uniformes e lençóis do Presídio também foram queimados. Só os pertences dos próprios detentos é que foram preservados. O motim ocorreu apenas no bloco “C”. Mas não durou muito tempo.
A direção do Presídio Sebastião Satiro convocou todos os agentes penitenciários. O Grupo de Intervenção Rápida – GIR – foi acionado para entrar nos blocos e conter a ação dos detentos. Eles vasculharam todas as celas e retiraram os isqueiros dos detentos. O material que foi queimado também foi retirado do local.
A direção do Presídio Sebastião Satiro não permitiu a entrada da imprensa, mas liberou imagens dos materiais que foram queimados pelos detentos. O prejuízo para o Estado foi grande. A Polícia Militar foi acionada para registrar o dano ao patrimônio. O Bloco “C” tem 153 detentos e a capacidade é para apenas 56 presos.
Com relação à prisão das três mulheres que tentavam entrar com drogas e telefone celular, diretores do Presídio informaram que este é um procedimento normal para todas os visitantes que entram na unidade e que este trabalho vai continuar.
Patos Hoje - Maurício Rocha

Nenhum comentário:

Postar um comentário