quarta-feira, 2 de julho de 2014

AGENTES PRISIONAIS BRASILEIROS,SAIBAM MAIS SOBRE A LEI 12.993/2014. (O PORTE FEDERAL).



Lei 12.993/2014: confere porte de arma de fogo aos agentes prisionais fora do serviço
Olá amigos do Dizer o Direito,

Foi publicada  mais uma novidade legislativa.

Trata-se da Lei n.° 12.993/2014.

Sobre o que trata a nova Lei?
A Lei n.° 12.993/2014 altera o Estatuto do Desarmamento para permitir que agentes e guardas prisionais tenham porte de arma de fogo mesmo fora de serviço.

Quem são os agentes e guardas prisionais?
Os agentes e guardas prisionais (ou penitenciários) são os profissionais responsáveis pela custódia, vigilância e escolta (interna e externa) dos detentos das unidades prisionais, além de outras atividades relacionadas com as rotinas e procedimentos da execução penal.
Não há distinção entre “agente” e “guarda” prisional. A Lei n.° 12.993/2014 utilizou as duas expressões como sinônimas considerando que existem leis estaduais que denominam o cargo como “agente” e outras como “guarda”.

Porte de arma
O Estatuto do Desarmamento, desde a sua redação original, já permitia que os agentes prisionais tivessem porte de arma de fogo (art. 6o, VII). No entanto, esse porte era apenas em serviço.
A Lei n.° 12.993/2014 ampliou a garantia e permitiu o porte de armas de fogos (de propriedade particular ou fornecidas pela instituição), a serviço ou fora dele.
Para que tenham direito ao porte, os agentes e guardas prisionais precisam atender aos seguintes requisitos:

1º) Deverão integrar o quadro efetivo do Estado (DF) ou União.
Existem alguns Estados que, em vez de promoverem concurso público para agentes penitenciários, fazem a contratação de empresas privadas que auxiliam na administração penitenciária. Os funcionários dessas empresas privadas são chamados, de forma atécnica, de “agentes penitenciários terceirizados” justamente porque desempenham algumas atividades que são próprias dos agentes penitenciários.
Os funcionários dessas empresas privadas, mesmo que realizem o trabalho dos agentes penitenciários, não terão direito a porte de arma de fogo, que é exclusividade dos agentes públicos efetivos.

2º) Deverão estar submetidos a regime de dedicação exclusiva.
Os agentes penitenciários não poderão exercer outra profissão.

3º) Deverão estar sujeitos a cursos de formação funcional.
O Decreto que regulamentar a lei deverá prever a realização de cursos de formação e de reciclagem dos agentes penitenciários a fim de que, por meio de treinamentos, estejam sempre aptos a fazer uso adequado do porte de arma que ostentam.

4º) Deverão estar subordinados a mecanismos de fiscalização e de controle interno.
O sistema prisional dos Estados (DF) e da União deverá prever a existência de órgãos de corregedoria para fiscalização da atuação dos agentes penitenciários. Além disso, os agentes penitenciários também estão submetidos ao controle externo do Ministério Público e do Conselho Penitenciário.

Armas próprias ou fornecidas pelo ente público
A Lei autoriza que os agentes penitenciários portem tanto armas de fogos que sejam fornecidas pela corporação ou instituição como também armas de fogo de propriedade particular, ou seja, adquiridas pelos próprios guardas.

Em serviço ou fora dele
A novidade da Lei 12.993/2014 é ela autorizar que os agentes penitenciários portem armas de fogos não apenas em serviço (ex: durante uma escolta de presos), mas também fora dele, como em períodos de folga.
O raciocínio do legislador foi o de que a atividade de agente penitenciário tem o potencial de gerar a insatisfação de criminosos, sendo, portanto, necessário que ele tenha meios de se defender de eventuais retaliações mesmo quando estiver em períodos de folga.

Guardas Portuários
Os Guardas Portuários gozam de porte de arma de fogo para uso fora do serviço?
NÃO. Os Guardas Portuários possuem porte de arma de fogo (art. 6o, VII, do Estatuto do Desarmamento). No entanto, não estão autorizados a portar a arma fora do serviço.
A Lei n.° 12.993/2014, na forma como foi aprovada pelo Congresso Nacional, previa o porte de arma de fogo fora do serviço também para os Guardas Portuários. Ocorre que esse dispositivo foi vetado pela Presidente da República sob o argumento de que não havia dados concretos que comprovassem a necessidade de sua autorização e que isso poderia resultar em aumento desnecessário do risco em decorrência do aumento de armas em circulação.

8 comentários:

  1. Legislação direta

    Lei nº 12.993 de 17 de Junho de 2014
    Altera a Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, para conceder porte de arma funcional.
    Frederico Vasconcelos: Agente prisional tem porte de arma fora de serviço
    nº 12.993 , de 17 de junho de 2014, ... Leia post completo no blog A presidente Dilma Rousseff sancionou lei que concede porte de arma funcional a agentes e guardas... prisionais, mesmo nos horários em que não estejam a ...
    Notícia Jurídica • Folha Online • 19/06/2014
    Lei nº 12.993, de 17 junho de 2014
    Presidência da Republica
    Altera a Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, para conceder porte de ...
    de sua publicação. Brasília, 17 de junho de 2014; 193º da Independência e 126º da República. DILMA ROUSSEFF José...A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei...: Art. 1º ...
    DOU 18/06/2014 - Pág. 1 - Seção 1 - Diário Oficial da União
    Belchior Marta Suplicy LEI N 12.993 , DE 17 DE JUNHO DE 2014 Altera a Lei n 10.826 , de 22 de dezembro de 2003, para conceder porte de arma funcional. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional ..

    ResponderExcluir
  2. http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=18/06/2014

    ResponderExcluir
  3. Quero saber e de quando o comando do exercito vai liberar pra comprar .40. Só isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só calibre permitido!

      Excluir
    2. alguém pode me dizer se ainda haverá burocracia tipo exames testes para adquirir arma?

      Excluir
    3. Sim,, ainda temos de realizar exames e teste de tiro para registro de armas..

      Excluir
  4. Parabéns pela conquista . Em uma instituição tão nova SUAPI estamos andando a passos largos. E que venham outras.

    ResponderExcluir
  5. Bem o caso do contrato em minas, nos não somos terceirizados, o porque então de nos excluírem?
    se tiverem respostas mandem pra min aspcampos@hotmail.com

    ResponderExcluir