domingo, 17 de janeiro de 2016

SOBRE O PROBLEMA DO ATRASO E OS CONSIGNADOS


Segundo o Secretário Helvécio Magalhães o servidor não corre risco de ter problema com instituições financeira como cobrança de juros, pois o repasse do governo para as instituições geralmente demora dez dias.

Porém e os boletos??? Estes não esperam. Vão ficar atrasados. O governo deveria também dar uma solução pra isto. Entre outras despesas que não esperam.

VEJA COMO FICARÁ O PARCELAMENTO.

1. Salários até R$ 3.000 por mês - uma parcela só: a serem pagas nos dias 5 de fevereiro, 7 de março e 7 de abril;
2. Até R$ 6.000 - duas parcelas: uma parcela de R$ 3.000 em 5 de fevereiro, 7 de março e 7 de abril; e o restante em 12 de fevereiro, 11 de março e 12 de abril;
3. Acima de R$ 6.000 - três parcelas: R$ 3.000 em 5 de fevereiro, 7 de março e 7 de abril; o mesmo valor em 12 de fevereiro, 11 de março e 12 de abril; e o restante em 16 de fevereiro, 16 de março e 15 de abril.

No caso nosso, a maioria dos Agentes estarão enquadrados no 02, e alguns no 03.
Mais de quarenta entidades estão pressionando visando resolver este impasse pois o servidor precisa receber em dia para poder honrar as suas contas.

Veja abaixo uma iniciativa importante:

O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas Gerais (Sindifisco) já entrou com um mandado de segurança na Justiça para impedir o parcelamento dos salários. Representantes da entidade ainda questionam as informações de queda na arrecadação, apresentadas pela Secretaria da Fazenda. Segundo o presidente do Sindifisco, Lindolfo Fernandes de Castro, é importante que o governo implemente mecanismos para combater a sonegações de impostos, que estariam trazendo prejuízos de até 40% na arrecadação do ICMS – segundo cálculos do sindicato. Além disso, caberia ao governo rever benefícios fiscais concedidos a empresas.

Serão fundidas secretarias e outras cortadas, segundo pronunciamento do Pimentel, agora é aguardar. O que se cogita no cenário é que haverá a criação da Secretaria própria do Sistema Prisional.

Henrique Corleone

Nenhum comentário:

Postar um comentário