sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Agente penitenciário que rendeu nadadores diz que não houve violência: ‘Não encostamos neles’

Câmera flagra atletas no posto
Câmera flagra atletas no posto Foto: Reprodução
Rafael Soares
Tamanho do texto A A A
Em entrevista ao EXTRA, o agente penitenciário que rendeu os quatro nadadores americanos num posto de gasolina na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, afirmou que não houve violência contra os atletas na ocasião. Segundo seu relato, o homem só puxou a pistola do coldre quando achou que Ryan Lochte atacaria seu amigo, que também é agente penitenciário no estado de Minas Gerais.
— Eles estavam visivelmente alterados e não foram agredidos. Não encostamos a mão neles. Só saquei a arma porque o de cabelo branco (Lochte) estava indo em direção ao meu amigo, que estava de costas. Achei que ele podia tentar agredi-lo. Tive que intervir. E não mandei ninguém deitar no chão nem apontei arma para a cara de ninguém. Falei para se abaixarem e saquei a arma. Acho que, nos Estados Unidos, é comum deitarem no chão. Por isso fizeram esse gesto. Mas não foi uma ordem minha. Tudo aconteceu dentro da legalidade — afirma o homem, de 34 anos, que pediu para não ter a identidade revelada.
O agente teve um papel chave nas investigações da Polícia Civil que desmontaram a farsa montada pelos atletas, que afirmaram terem sido vítimas de um roubo. Foi ele quem procurou a polícia para denunciar a mentira dos nadadores.
— Até ontem (quarta-feira), não sabia que eles eram atletas. Não vejo muita TV. Um amigo me mostrou uma reportagem e reconheci o Lochte. Como não fiz nada errado, procurei a polícia — conta.
Gunnar Bentz e Jack Conger chegam para depor na DEAT
Gunnar Bentz e Jack Conger chegam para depor na DEAT Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo
O agente diz que não trabalha como funcionário do posto, mas frequenta muito o local.
Imagens mostram placa quebrada
A íntegra das filmagens feitas por câmeras de segurança do posto de gasolina na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, revelam que os quatro nadadores americanos permaneceram no local por oito minutos — das 6h06m às 6h14m. A filmagem mostra, com clareza, a placa publicitária do local quebrada pelos atletas, segundo depoimentos dos funcionários à Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat). O material, inclusive, é carregado para a frente do posto por um funcionário.
Nadadores chegaram de carro à delegacia
Nadadores chegaram de carro à delegacia Foto: Agência O Globo
Em depoimento, um dos empregados do posto afirma que “viu que os homens haviam arrancado e quebrado o quadro de anúncios do estabelecimento”. O homem ainda afirma ter corrido atrás dos nadadores e dito, em português “Vocês quebraram a placa”, sem sucesso.
Segundo a Polícia Civil, Ryan Lochte e James Feigen relataram ter sofrido um assalto que não ocorreu. Por isso, foram indiciados por falsa comunicação de crime.


Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/rio-2016/agente-penitenciario-que-rendeu-nadadores-diz-que-nao-houve-violencia-nao-encostamos-neles-19951378.html#ixzz4Hp2Xsyhz

Nenhum comentário:

Postar um comentário