segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Comandante em exercício do 3°BPM determina retirada de viatura da frente do condomínio em que o Governador tem residência

       
Na última semana a atitude do Major Carlos Leão ao tomar exercício do cargo de comandante do 3°BPM deu o que falar.
Por razão da entrada de férias do TC Dimas, o Major Carlos Leão passou a exercer o cargo de comandante do 3°BPM e se inteirou da situação da unidade. Sua primeira medida foi ordenar a retirada de uma viatura que fazia ponto base permanente no Condomínio Porto Brasil, onde está localizada uma das residências do Governador do Estado.
A ordem após obedecida, segundo informações e relato do próprio oficial superior em oficio encaminhado ao Ministério Público, gerou ligações até do Gabinete Civil para retorno da viatura. O major, porém, conhecedor do direito e defensor da Lei e da Ordem, solicitou uma ordem por escrito, o que não ocorreu.
De acordo com o oficial, os policiais que ali permaneciam não tinham nem o direito de utilizar o sanitário daquele local, uma atitude considerada “irregular, humilhante, degradante e imoral”.
Em nota dirigida aos oficiais o Major Carlos Leão justificou a atitude de ordenar a retirada da viatura do referido condomínio. “Temos uma carreira de Estado, e não de Governo. E ao Estado o fiel compromisso como PM”, disse o Major.
“Não temos que ter medo de fazer o correto e defender a incolumidade física do efetivo da Polícia Militar. Não aceito e jamais aceitarei que oficiais e praças a mim subordinados sejam tratados com desdém e desprezo, no exercício da profissão.Temos que nos valorizar, e valorizar os polícias militares, nosso maior patrimônio, que sem o apoio do Estado, com direitos e salários atrasados, arriscam suas vidas, diariamente, em defesa da sociedade”, concluiu.
Confira a nota emitida pelo oficial:
Boa tarde, senhores oficiais, Capitães e Tenentes.
Dirijo-me a vossas senhorias, devido à repercussão, por dever funcional, para comentar a minha decisão de tirar a VTR que fazia ponto base no Porto Brasil.
Não fiz nada a mais e nem a menos que meu dever funcional, regido pelos princípios constitucionais previsto no Art. 37, da CF.
Temos uma carreira de Estado, e não de Governo. E ao Estado o fiel compromisso como PM. Carreira que abracei.
Não temos que ter medo de fazer o correto e defender a incolumidade física do efetivo da Polícia Militar. Não aceito e jamais aceitarei que oficiais e praças a mim subordinados sejam tratados com desdém e desprezo, no exercício da profissão.
Temos que nos valorizar, e valorizar os polícias militares, nosso maior patrimônio, que sem o apoio do Estado, com direitos e salários atrasados, arriscam suas vidas, diariamente, em defesa da sociedade.
Portanto, agradeço a preocupação de tantos policiais militares com a minha pessoa.
Carlos Leão – Major PM

Nenhum comentário:

Postar um comentário