terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Dezenove agentes penitenciários do presídio de Cataguases são demitidos

Dezenove agentes penitenciários do presídio de Cataguases são demitidos

  RSS  
O Presídio de Cataguases perdeu de uma só vez dezenove agentes penitenciários que foram demitidos de uma só vez
O Presídio de Cataguases perdeu de uma só vez dezenove agentes penitenciários que foram demitidos de uma só vez
O Governo de Minas Gerais demite, a partir desta terça-feira, 27 de dezembro, dezenove agentes penitenciários contratados lotados no presídio de Cataguases. A informação foi repassada ao Site do Marcelo Lopes por um dos que perderam o emprego e que pediu para ter seu nome mantido no anonimato. A lista traz apenas os nomes dos agentes que assumiram seus cargos no dia 27 de setembro de 2009, portanto, os que tem mais tempo de serviço, segundo ainda esta mesma fonte. O e-mail enviado ao presídio com os nomes dos demitidos, a que o Site teve acesso, não informa o motivo do desligamento, nem tampouco se eles serão substituídos por servidores concursados. 

Em Cataguases existem aproximadamente 60 agentes penitenciários, sendo que a grande maioria não é concursada, como, aliás, ocorre em todo o Estado. Minas Gerais possui cerca de 55 mil detentos e pouco mais de 16 mil agentes, 80% deles não efetivados, segundo o Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado (Sindasp-MG). Esses funcionários contratados seguem as regras de um trabalhador comum, mas não contam com os benefícios dos servidores efetivos da área. A partir de 2012, o Estado começou a fazer concursos para substituí-los, e hoje, a cada agente efetivado, um contratado é demitido. 

A dispensa dos dezenove agentes penitenciários de Cataguases, segundo um dos demitidos que conversou com a reportagem do Site, "fragiliza a segurança, muda a forma de tratamento dada aos presos que não terão mais um tratamento humanizado", pois de acordo com ele, serviços como "atendimentos técnicos como psicóloga, dentistas, assistentes sociais, técnico jurídico e escoltas hospitalares não serão mais realizados" por falta de pessoal. O outro lado da moeda é que a demissão de um agente penitenciário coloca no mercado de trabalho um profissional cuja qualificação e experiência por serem muito específicas, não vai lhe ajudar a conseguir uma nova colocação, analisa o agente agora demitido.

FONTE: http://www.marcelolopes.jor.br/noticia/detalhe/19728/dezenove-agentes-penitenciarios-do-presidio-de-cataguases-sao-demitidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário