quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Em votação que durou segundos, vereadores de BH aumentam os salários


A partir de janeiro, os parlamentares terão um acréscimo de cerca de R$ 1.400 em seus vencimentos mensais

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 14/12/16 - 17h59

Os vereadores da Câmara Municipal de Belo Horizonte aproveitaram o clima chuvoso e a pouca atenção dada à sessão ordinária da tarde desta quarta-feira (14), uma das últimas do ano e desta legislatura, e se deram um presente de natal e fim de ano. Em uma votação que durou segundos, os parlamentares aprovaram um novo aumento em seus salários.
A partir de janeiro, os vereadores  terão um acréscimo de cerca de R$ 1.400 em seus vencimentos mensais. Ao todo, os salários chegarão no valor de  R$ 16.435,88. Esse reajuste corresponde a um aumento de 9,3%.  Segundo a assessoria de imprensa, o último reajuste havia sido feito em 2012.
Dos 41 vereadores, apenas seis votaram de forma contrária ao projeto. Outros oito parlamentares estiveram ausentes e não votaram. Segundo Adriano Ventura (PT), um dos que foram contra o aumento, o momento não é propício para este tipo de reajuste. “É uma coisa complicada, não tem clima pra dar esses aumentos. Estamos no meio de uma crise financeira, a Câmara está sendo comandada pelo vice, então não acho que foi correto”, diz o petista, que não foi reeleito e se despede do mandato em janeiro.
Além de Ventura, votaram contra o texto os vereadores Arnaldo Godoy (PT), Pedro Patrus (PT), Vilmo Gomes (PSB), Sergio Fernando (PV) e Doutor Sandro (PMDB). Destes, apenas Patrus e Godoy foram reeleitos na eleição municipal deste ano.
De autoria do presidente afastado da Câmara, vereador Wellington Magalhães (PTN), o projeto argumenta que o aumento nos salários representa apenas uma “revisão financeira, conforme a inflação” e está dentro do “espírito de cooperação nacional para o momento que o país vive”. Ainda segundo o texto, o índice utilizado para o reajuste é o mesmo estabelecido na Proposta de Emenda de Constituição (PEC) do Teto de Gastos, aprovada pelo Senado na última terça-feira.
Com o aumento, os secretários municipais da Prefeitura de Belo Horizonte também ficam beneficiados, já que, por determinação da própria Câmara Municipal, eles não podem ter vencimentos superiores aos salários dos parlamentares. Curiosamente, em junho deste ano, a Casa aprovou um projeto que reduzia os salários dos secretários e subsecretários da cidade.
Confira a lista de quem votou pelo aumento dos salários:
PRP Antônio Torres - Gunda
PSC Autair Gomes
PSDB Bim da Ambulância
PSB Bispo Fernando Luiz
PDT Bruno Miranda
PSB Coronel Piccinini
PROS Dr. Nilton
PSD Elvis Côrtes
PCdoB Gilson Reis
PSDB Heleno
PSDB Henrique Braga *presidiu a sessão
PMDB Joel Moreira Filho
PRB Jorge Santos
PT Juninho Paim
PSL Léo Burguês de Castro
PV Leonardo Mattos
PP Lúcio Bocão
PSD Márcio Almeida
PTdoB Orlei
PSB Pelé do Vôlei
DEM Preto
PPS Professor Ronaldo Gontijo
PSB Professor Wendel
PMDB Reinaldo Gomes
PSB Silvinho Rezende
PCdoB Tarcísio Caixeta
PSDC Veré da Farmácia
Vereadores ausentes:
PSB Alexandre Gomes
PPS Daniel Nepomuceno
PTB Elaine Matozinhos
PTC Juliano Lopes
PSDB Juninho Los Hermanos
PSDB Pablo César - Pablito
PSB Valdivino
PTN Wellington Magalhaes

FONTE: O TEMPO

Um comentário:

  1. Depois,esse bando de FDP fica inventando PEC e fazendo Reforma na Previdência para fuder com todo mundo.É só para de roubar e dimunir o salário desses vagabundos.

    ResponderExcluir