quinta-feira, 27 de julho de 2017

Política Estadual de Atenção à Saúde e Qualidade de Vida do Servidor Prisional.

Imagem relacionada

Por Alexandre Guerreiro

Um ponto relevante da Carreira de Agente de Segurança Penitenciário é o não reconhecimento da sociedade pelos trabalhos executados na manutenção e ordem dos Presídios e Penitenciárias. Pois o artigo 144 da constituição federal deixa o SISTEMA PRISIONAL inexistente do rol da SEGURANÇA PÚBLICA. Os Agentes Penitenciários são "policiais de fato, mas, não são policiais de direito," isto é, eles sentem-se uma tristeza muito grande pela falta de amparo da política brasileira. Porque eles trabalham muito, e se empenhando, apesar de ganharem muito pouco. Mas, dificilmente, não há essa gratulação do trabalho.

O reconhecimento é sempre uma busca incansável para o quadro policial da carreira na nossa Magna Carta, porém o Agente Penitenciário só é lembrado quando é massacrado pelos governos e/ou marginalizado pela mídia tendenciosa que se corrompe com o sistema político. A falta de diálogo dentro da instituição transcorrem os conflitos entre comandantes e subordinados estressados. Não há válvula de escape. Os que estão mais acima na hierarquia, às vezes, têm que exigir que seus comandados se arrisquem diante da falta absoluta de segurança na atividade penitenciária em virtude das politicagens de GOVERNO.

Nós últimos anos perdemos a conta de quantos Agentes Penitenciários atentaram contra a própria vida, outros assassinados a caminho do trabalho, e o que daria um número absurdo de assassinatos e suicídio dentro do Sistema Prisional. Por isso, ocorre uma preocupação de intervenção à saúde do Servidor Penal, que é um dado primordial a ser trabalhado pelo Dr. Marcelo Costa Secretário Adjunto SEAP/MG e Michelle Andrades Diretora de Atenção ao Servidor, assim, o Secretário Adjunto busca ampliar Pesquisas, Grupos de Estudos em Prevenção a saúde dos operadores do sistema prisional por todas as regiões do Estado.

Por fim, uma das patologias mais frequentes são a Síndrome de Burnout e o alcoolismo no sistema penal. A perda de colegas em serviço afetam e muito os agentes, seja na parte física, com dores na coluna; seja na emocional, quando muitos têm choros convulsivos, ansiedade e dificuldade de dormir. Contudo, devido às más condições de trabalho  vêm causando sofrimento mental dos operadores; entretanto, a maioria queixam de insegurança devido às mortes de colegas, insegurança laboral, escala de trabalho apertada e falta de condições físicas das Unidades Prisionais do Estado de Minas Gerais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário